woman-687560_640

Um o quê?

Canvas!!!

Pois é, essa foi a conversa que eu tive com uma mentora em um evento da Rede Mulher Empreendedora, em São Paulo.

A mentoria era uma espécie de sala de aconselhamento, na qual você contava sua ideia e alguém, mais experiente que você, te dava alguma luz no fim do túnel.

A minha luz foi CANVAS.

Segunda a Ana Fontes, fundadora da Rede Mulher Empreendedora“O canvas é uma ferramenta visual que utiliza conceitos de design thinking bastante simples e que ajuda o empreendedor a ter uma visão básica de um modelo de negócios e as interações necessárias para construção deste modelo. O canvas ajuda a organizar as ideias e dá os caminhos de informações que a empreendedora deve buscar para construir o seu modelo de negócios. Mas é importante entender que canvas é uma ferramenta e ele sozinho não resolve sua ideia ou seu negócio. Fazer prototipação (MVP) é o próximo passo do seu canvas. Buscar consumidores que queiram pagar pelo seu produto ou serviço é o melhor teste”.

Não fique assustada com essa definição! O Canvas pode ser usado também para lançar um produto ou um projeto dentro da empresa.

Opa…projeto?! Então porque não usá-lo para organizar os meus projetos culturais?

A maior dificuldade de quem tem um milhão de ideias é organizá-las. E foi o que aconteceu comigo. Quando sentei na frente da minha mentora eu parecia uma metralhadora! Mas nada estava organizado.

Depois da pergunta: Você já fez um Canvas? fui saber do que se tratava e ai sim…fiz meu primeiro Canvas!

Mas não usei essa ferramenta para planejar o meu negócio. Não neste momento! Usei para organizar um projeto cultural que estou desenvolvendo.

O que acontece é que eu tenho muitas coisas acontecendo neste momento e, muitas vezes, me perco nos projetos, ideias, desejos e ansiedades do dia a dia, além das obrigações cotidianas.

Ter algo visual, colorido, e que se concentre em um espaço foi interessante para eu organizar todo esse trabalho e depois expô-lo para a minha equipe.

E como faz o Canvas?

Tem muito material na internet. Inclusive tem aplicativos nos quais você pode fazer o seu Canvas!

Eu fui para o básico. Utilizei o aplicativo “PM CANVAS” e muito pré-histórica passei para o papel.

Nessa ferramenta você tem aproximadamente 09 campos. No modelo que eu usei tinham 13. Adaptei alguns para a linguagem do projeto cultural.

justificativa: dores do passado sem o projeto;

objetivo: o esforço que irá melhorar nossa situação, onde eu quero chegar;

benefícios: valores gerados após a implantação do projeto;

produto: produto, serviço ou resultado gerado pelo projeto;

requisitos: características do produto do projeto que atende às necessidades dos clientes (eu troquei por público-alvo),

Pessoas influenciadas ou afetadas pelo projeto: eu coloquei as artistas responsáveis pela peça que eu quero montar e a comunidade que frequentar o espaço no qual estou propondo o projeto;

Equipe: o grupo;

Premissas: aquilo que supomos do ambiente externo ao projeto eu coloquei ausência de discussão do tema do projeto;

Entrega: os componentes concretos do projeto (eu inclui contrapartida e o objeto principal do projeto – uma peça de teatro);

Restrições: limitações de qualquer natureza e origem impostas ao trabalho realizados pela equipe do projeto;

Riscos: eventos futuros e incertos que tem relevância ao objetivo do projeto. Aqui eu coloquei os direitos autorais que ainda não tenho. É interessante já trazer uma resposta ou solução. A minha foi – adaptar o texto.

Linha do tempo: é um cronograma. O que você vai estabelecer com a equipe?

Custos: aqui eu coloquei tudo. E as possibilidades de parceria para o projeto rolar sem grana.

Ele fica com essa cara:

Screenshot_2015-10-23-23-00-16-1

business-model-canvas-exemplo-estacionamento

canvas-do-carlo-exemplo-do-modelo-canvas-3-638

Essas duas últimas figuras que eu trouxe acima não estão com as legendas que descrevi. Na internet tem muito modelo de Canvas. Como disse, peguei o meu do aplicativo do PM Canvas e adaptei para um papel sulfite. Não é a melhor opção, tem melhores na internet, inclusive do próprio SEBRAE.

Mas eu tinha pouco tempo. Tanto eu como a equipe trabalhamos em outras coisas, temos outros projetos e pouco tempo para reuniões presenciais. Eu estava com uma necessidade de ter uma visão global do projeto para poder discutir com todos os integrantes do grupo e, principalmente, mostrar para mim que o que eu estava propondo era possível e não mais um projeto que iria morrer na praia.

Deu certo. Consegui colocar o projeto inteiro em um espaço e levar todas essas questões para a equipe que acrescentou outras questões. O trabalho tomou corpo. Como estamos começando sem patrocínio é normal um desânimo. Quando coloquei as minhas preocupações no papel consegui pensar em soluções e compartilhar com o meu grupo.

Concluímos, por exemplo, que sem a autorização dos direitos autorais fica complicado negociar espaço. Então, paramos a busca por espaço e resolvemos focar em encontrar os detentores desses direitos.

Eu adaptei o CANVAS que encontrei. A ideia desse texto não é necessariamente ensinar você a fazer o quadro, mas dividir uma experiência de adaptação de algo que é usado, a princípio, no “mundo dos negócios” na atividade cultural.

O Gestor Cultural Marcos Terra usa o Canvas para organizar o projeto dentro de um edital cultural. Neste vídeo ele fala um pouquinho do trabalho dele. É muito bacana e esclarecedor!

A falta de patrocínio, e toda a dificuldade que isso acarreta, é a principal causa dos projetos não irem para frente. O grupo se desestimula, porque não vê saída, não vê o andamento concreto do projeto. E muitas vezes ele não anda mesmo: fica em círculos, somente no plano das ideias, discutindo as mesmas questões.

meditation-972472_1920

Quando você faz um mapa sincero do seu projeto ele se materializa na sua frente. Você organiza seu fluxo de ideias e tem mais chances de concretizá-lo ou transformá-lo.

Pense em todas as dificuldades, restrições, problemas que podem aparecer. E já pensa em soluções! Planos A, B, C. Nas pessoas que podem te ajudar, no que você pode oferecer em troca.

Aqui no LAS ABUELITAS a Coaching Adriana Cubas trouxe um texto com outra ferramenta de organização: o SMART.

E existem muitas outras! Use e abuse delas. Adapte-as se achou muito complexo ou trabalhoso. Compartilhe seus métodos, aprenda outros.

Quanto mais a gente compartilhar informação e se qualificar, mais oportunidades de solidificar o trabalho aparecem!

Qual é o seu meio de organização?

Divide com a gente!

Até mais!

Priscilla Leal

_MG_0162Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso trago no blog informações jurídicas, que estão envolvidas na atividade artística, além de informações de produção e gestão cultural. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Priscilla Leal
Priscilla Leal
Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso convidei mulheres de diversas áreas para escreverem para nós. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *