Memórias de uma menina artista

Lambe-Lambe e outras manifestações urbanas
junho 18, 2016
Decorando espaços pequenos
junho 18, 2016
Ver tudo

Memórias de uma menina artista

grandmother-923871_1920Lendo o “sobre” do blog, me ocorreu o óbvio: cadê as avós? Elas estão no nome, mas ainda não as trouxe.

Hoje, trago uma de minhas avós.

Eu tenho um imenso carinho por elas, em especial pela minha avó paterna. Me lembro dela dizendo que eu poderia ser tudo menos atriz, afinal, “tinham má fama”.

Eu virei atriz!

Acho que no fundo ela já sabia. Ainda pequena, bem pequena, eu ia visitá-la e chegava como uma velhinha: imitava que tinha uma bengala na mão, franzia a testa, ficava com os olhinhos miúdos e andava muito devagar. Isso era ser uma velhinha na minha cabeça de criança.

E ela ria.

Na pré-adolescência, conheci o teatro e era para ela que eu contava as peças e filmes que eu assistia.

Ela me ouvia, sempre muito atentamente.

Foi para ela também que mostrei meu primeiro bordado: um Mickey Mouse tão torto que era tudo menos o rato da Disney.

Ela achou lindo.

Minha avó não era artista. Me disse uma vez que quando criança ganhou uma viola do pai. Teve uma vida difícil, criou seis filhos sozinha no interior do Paraná. Era muito católica e cantava. Aliás, dizem que cantava muito bem, fazia parte, inclusive, do coral da igreja.

Ela era uma mulher criativa. Se expressava pelos cânticos, pela culinária e pelos relatos da neta.

Fazia coxinhas deliciosas e perfeitas! Eram bem moldadinhas, parecendo pequenos pingos de massa. Foi costureira, então tinha mãos acostumadas a criar.

E o café! Minha parte preferida. Um cheiro tão bom invadia a casa à tarde!

Tenho saudade desse cheiro e de vê-la atenta aos meus devaneios de menina artista.

Ela foi a primeira velha que habitou meu mundo criativo.

Foi minha primeira plateia entusiasmada.

Ela foi a minha artista.

E você? Quem a incentivou a trilhar o caminho criativo? Compartilhe sua memória conosco.

Priscilla Leal
Priscilla Leal
Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso convidei mulheres de diversas áreas para escreverem para nós. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

2 Comments

  1. Mabel Carneiro disse:

    Aah as avós! São anjos que Deus nos dá para nos mimar♥!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *