Financiamento à cultura – Crowdfunding e Apoio Cultural

Artistas que você TEM que conhecer: e que estão no pinterest
agosto 16, 2015
Artistas que você TEM que conhecer: e estão no Vimeo
agosto 23, 2015
Ver tudo

Financiamento à cultura – Crowdfunding e Apoio Cultural

Para encerrar nossa série sobre financiamento à cultura, vamos falar hoje de uma modalidade que é, relativamente, recente no Brasil e que ao meu ver vem crescendo no decorrer dos anos: o crowdfunding.

CROWDFUNDING

É uma modalidade de financiamento realizado pelas pessoas físicas. Em tradução literal é o “financiamento da multidão”. É a pessoa física colaborando e fazendo parte de um projeto cultural. Vale lembrar que essa espécie de financiamento coletivo não é utilizada apenas para a área cultural.

banco de imagens pixabay

banco de imagens pixabay

Geralmente, esse financiamento se dá por meio de uma plataforma na internet. Existem diversos sites que promovem o financiamento coletivo e cada um tem sua forma de funcionar e um valor de porcentagem que cobra, caso o projeto atinja a meta estabelecida.

COMO FUNCIONA?

Da seguinte forma: você vai pesquisar qual o melhor site para disponibilizar seu projeto e iniciar o financiamento coletivo. Tem vários no mercado. Você estipula uma meta em relação ao valor e você terá um tempo para atingir essa meta. Se você atingir, recebe o dinheiro e é descontada a porcentagem do site que hospedou o seu projeto. É necessário, portanto, ver ao certo quanto é esse valor.

Caso você não atinja a meta, o dinheiro é devolvido aos colaboradores, que podem optar em receber de volta o dinheiro ou colaborar com outro projeto. Alguns sites são flexíveis e você pode receber o valor, mesmo não tendo cumprido a meta.

Todas essas informações você deve observar quando for escolher o site que irá hospedar o seu projeto.

Eu costumo dizer que o crowdfunding é a modernização do “chapéu”, que os artistas costumavam passar após seus espetáculos.

Sim, porque ao invés de você pedir ajuda para aquele tio bem de vida no almoço de família, você pode mandar para ele o link do seu projeto e cativá-lo. Esse é um passo importante: cativar o colaborador. Porque a pessoa que vai escolher seu projeto para doar um valor, tem que sentir confiança em você e para isso você tem que mostrar qualidade. Como? Fazendo um texto bacana, um vídeo convidando o seu público a colaborar, mostrar a importância daquele projeto.

A pessoa que colabora quer se sentir parte de algo importante, contribuindo pouco, em termos financeiros, com isso. Agora para você artista ou produtora que está ali para financiar o seu projeto, esse pouco é muito. Sabe aquela história de “em grão em grão a galinha enche o papo”?

A maioria dos projetos retribui seus colaboradores com uma recompensa criativa. Pode ser o nome do colaborador no programa da sua peça ou no final do seu filme, um livro, um quadro, etc. A recompensa deve estar de acordo com o valor doado, até para incentivar o colaborador.

É um mecanismo muito bacana de financiamento e sem dúvida deve ser considerado!

Antes de procurar a plataforma, organize seu projeto. Veja bem o que você pode oferecer para os seus colaboradores, não prometa o que não conseguirá cumprir. Feche seu orçamento de forma correta, para não correr o risco de pedir um valor e depois descobrir que ele não é suficiente. Faça um plano de comunicação e organize o tempo da campanha.

Lembre-se: se você financiar um projeto pelo crowdfunding e cativar sua “multidão” outros projetos podem ganhar o apoio deles também. Então invista na qualidade!

APOIO CULTURAL

São as parcerias. Uma forma de minimizar gastos e administrar bem o dinheiro do seu projeto ou até mesmo realizar o projeto.

solidariedade

Você pode negociar um desconto com um restaurante, onde sua equipe vai almoçar, por exemplo, ou uma sala para ensaio, e por aí vai.

Na hora de realizar um projeto, se você tem o dinheiro na mão, é preciso administrá-lo. Não fique deslumbrada! Eu sei que é difícil: “caramba! Tô fazendo meu projeto com dinheiro!”. Eu senti um pouco disso quando realizei o “Mulheres Artistas na Ditadura”. Mas, se você conseguir administrar bem o seu projeto, pode entregar algo ainda melhor para seu público ou patrocinador. O dinheiro que você conseguiu economizar com o apoio do restaurante, por exemplo, pode ser revertido em mais uma apresentação ou mais tiragens do seu livro.

Com as mídias, principalmente, é sempre interessante tentar o apoio cultural. Converse, pergunte! Se você comprou uma página de publicidade em um jornal, tenta o apoio deles para um banner no site ou divulgação nas redes sociais. Como um plus, entende?

“A 1/2 página no jornal ficou R$ 15.000,00, é possível termos também um banner no site dentro desse preço?”.

Claro, sempre tenha bom senso!

E se você tá sem o dinheiro e quer colocar seu projeto no mundo, pode conseguir um apoio da escola do bairro e descolar uma sala, por exemplo. Aqui me lembro da entrevista que fiz com a Priscilla Toscano, do Coletivo PI: elas começaram o trabalho em uma sala cedida por um clube da Zona Norte! Dá uma lida de novo, porque é inspirador!

Aqui termino a série sobre financiamento à cultura. Espero que você se sinta inspirada para organizar seus projetos e tirá-los da gaveta. Fácil não é, mas quem disse que seria, não é mesmo? O importante é você saber que é possível e persistir!

E conte com a gente! Lembrando que temos um painel no instagram de mulheres artistas. Já pode ser um excelente início de divulgação, hein? Manda pra gente seu material!

Abraços,

Priscilla Leal

_MG_0162Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua  relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o)  produtor(a) cultural, por isso trago no blog informações jurídicas, que estão  envolvidas na atividade artística, além de informações de produção e gestão cultural. Idealizei e  executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Priscilla Leal
Priscilla Leal
Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso convidei mulheres de diversas áreas para escreverem para nós. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

1 Comment

  1. […] projeto foi financiado por crowdfunding e a Maria falou sobre ele e sua trajetória aqui pra gente, em uma entrevista bem […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *