Taanteatro Companhia – Artaud, le Mômo
fevereiro 21, 2017
Clarice Gonçalves – Artista Plástica
fevereiro 21, 2017
Ver tudo

A atriz e bailarina Mariana Muniz, após uma temporada de sucesso do espetáculo D’Existir, volta aos palcos no dia 11 de março com seu novo projeto “Fados e Outros Afins”, na SP Escola de Teatro.

Para essa nova empreitada, Mariana Muniz fez uma imersão em suas origens de brasileira e nordestina, numa dramaturgia, concebida a partir de seu corpo, como uma viagem poética de Lisboa a Recife, sob a direção de Maria Thaís, em um encontro de duas mulheres referências no Teatro e na Dança.

Na criação e composição do solo “Fados e Outros Afins”, Maria Thaís e Mariana Muniz exploram o hibridismo de linguagens artísticas da dança e do teatro, que servem à ampliação dos limites das conexões entre questões cênicas, coreográficas, dramatúrgicas, visuais e performáticas.

Assim como em trabalhos anteriores, em “Fados e Outros Afins”, Mariana Muniz dá continuidade ao processo de investigação das relações entre o pensamento e corpo | gesto, em dança e teatro.

A dramaturgia do espetáculo é tratada como uma teia que engloba as ações físicas da atriz-bailarina (como o texto se torna corpo), suas ações vocais (musicalidade no texto e com o texto; a palavra como música e concretização da voz no espaço), cenografia, iluminação, figurino e a relação entre eles.

O projeto “Fados e Outros Afins” tem o apoio do XX Edital do Fomento à Dança para a cidade de São Paulo e conta ainda com um programa educativo inovador, que visa a formação de público para dança, além da capacitação de novos profissionais, na tentativa de aproximar e estabelecer novos diálogos entre o público e a obra artística.

As ações principais desse núcleo educativo são: a realização de uma palestra sobre a história do fado e suas relações com o Brasil; o grupo de estudos com 12 aprendizes, e a produção de uma webserie que divulga as ações do projeto e desvenda os bastidores da criação do espetáculo.

 FICHA TÉCNICA:

 Direção geral, Criadora-Intérprete e orientadora do Grupo de Estudos: Mariana Muniz

Direção Artística: Maria Thaís

Assistente de Direção, Cenografia e Fotos: Cláudio Gimenez

Coordenação pedagógica do Grupo de Estudos: Cynthia Domenico

Dramaturgia: Murilo de Paula eCarlos Avelino de Arruda Camargo

Trilha sonora: Divanir Gattamorta

Figurinista: Chris Aizner

Desenho de luz: Aline Santini

Cenografia: Julio Dojcsar e Rogério Santos

Operação som: Luciano Renan

Registro em vídeo/webserie: Marcos Yoshi

Assessoria de Imprensa: Fabio Camara

Designer: Fabio Borges

Coordenação de Produção: Natália Gresenberg e Talita Bretas  – Ação Cênica Produções Artísticas

Assistente de Produção: Rafael Petri

Aprendizes: Ana Mesquita, Barbara da Silva Borges, Camille de Oliveira Nascimento, Fernando Castanho de Almeida Pernambuco, Gabriela Lorrayne Araujo Santos, Giovanna Santos Guadanholi, Gustavo Fataki Silva Oliveira, Juliana Celentano Rocha, Livia Baena dos Santos, Luciano Renan Santos Antunes e Nicholas Belem Leite

SERVIÇO:

LOCAL: SP Escola de Teatro – Sala R1 (Praça Franklin Roosevelt, 210, Centro). 60 lugares

DATA:11/03 até 26/03 (Sábado 21h, Domingo 19h e Segunda 21h).

INFORMAÇÕES:(11) 3775 8600

INGRESSOS: R$ 15,00

DURAÇÃO: 50 minutos

CLASSIFICAÇÃO: Livre

EQUIPE:

 MARIANA MUNIZ

Nasceu em Pernambuco, onde começou seus estudos de dança clássica, e formou-se no Rio de Janeiro pela Escola de Danças Clássicas do Teatro Municipal. Em 1974 encontrou-se com Klauss e Angel Vianna e, desde então, dedica-se ao trabalho com a dança contemporânea. Trabalhou com Klauss em 1983, quando ele criou o Grupo Experimental do Balé da Cidade de São Paulo e dançou no Grupo Coringa de Graciela Figueroa. Estudou em Nova York nas escolas de Martha Graham, Mercê Cunningham e Jennifer Muller; e na França estudou na Sorbonne com Annick Maucouvert e estagiou na Cia. de Maguy Marin.

Participou de muitas produções importantes em teatro; e na dança ela cria solos, frutos de suas investigações no campo das relações entre a palavra e o movimento, e das percepções que se tem do corpo em movimento, tanto no Ocidente como no Oriente.

Sobre seu trabalho, Helena Katz, crítica de dança, escreveu: “Em cada uma de suas realizações, sempre ofereceu sínteses entre o que carregava no seu corpo de profissional de dança e as demandas específicas do fazer teatral.”

Atualmente, Mariana Muniz dá continuidade ao seu fazer artístico participando de espetáculos teatrais e criando os seus próprios espetáculos solos e/ou junto com a companhia, onde mistura, de maneira muito própria, o teatro com a dança, em parceria com o arquiteto Cláudio Gimenez.

MARIA THAIS

É professora, pesquisadora e diretora teatral. Possui graduação em Bacharel em Artes Cênicas pela Universidade do Rio de Janeiro (UniRio), em 1984, mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (USP), em 1994, e doutorado em Artes também pela Universidade de São Paulo (2002), sobre o encenador russo V. Meyerhold.

É professora doutora da Universidade de São Paulo, atuando na pós-graduação e na graduação (nas áreas de interpretação e direção teatral). Desenvolve o projeto de pesquisa Encenação e Pedagogia no teatro contemporâneo, com ênfase no teatro russo e do extremo oriente.

Designada desde abril de 2007, como diretora do TUSP-Teatro da Universidade de São Paulo, órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária. Coordenou e implantou o projeto Escola Livre de Teatro da Prefeitura Municipal de Santo André.

É diretora da Cia. Teatro Balagan e atua, desde 1998, como diretora-pedagoga, na Moscow Theatre – School of Dramatic Art, dirigida por Anatoli Vassiliev.

É consultora pedagógica da SP Escola de Teatro.

Priscilla Leal
Priscilla Leal
Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso convidei mulheres de diversas áreas para escreverem para nós. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *