Espetáculo de dança “Nós S/A” propõe reflexão sobre a especulação imobiliária

CREATIVE COMMONS
março 11, 2017
Artistas que você TEM que conhecer: Beth Moysés
março 17, 2017
Ver tudo

Espetáculo de dança “Nós S/A” propõe reflexão sobre a especulação imobiliária

Até o dia 19 de março, o Caleidos Cia de Dança apresenta o espetáculo “Nós S/A” que explora, por meio da dança, o universo da apropriação do espaço urbano pela lógica do mundo corporativo. O espetáculo de dança discute a organização do espaço e das relações sociais a partir do fenômeno da especulação imobiliária; o mundo corporativo se refletindo no espaço urbano e nas formas de viver em sociedade.

A especulação imobiliária traduz-se como o mundo dos negócios atuando sobre o espaço e sobre os corpos do mundo. A espetacularização dos negócios, a empresarização das relações, a mercadorização e a comercialização dos corpos são postos em cenas que dialogam com o público por meio da dança.

Em “Nós S/A”, a especulação imobiliária é tratada como uma etapa desta corporativização da sociedade. A mudança que se opera com estes negócios não é apenas no modo de construir ou ocupar o espaço urbano, não se compra ou se vende apenas um apartamento, empreende-se a comercialização de um modo de vida.

Sob o olhar das corporações, o espaço redefine-se como negócio, o tempo transforma-se em moeda, o corpo entende-se como empresa e a vida em sociedade é mais um negócio no grande negócio do mundo.

“Nós S/A” convida a pensar sobre a empresarização da sociedade com seus donos, seus trabalhadores e seus excluídos. Como em outros espetáculos do Caleidos Cia De Dança o público é convidado a dialogar com as cenas por meio da leitura da dança, produzindo a significação do movimento e das imagens sugeridas pelos jogos que se constroem ao vivo a partir da estrutura dramatúrgica.

Nós S/A – foto: Fábio Brazil

A encenação geral remete às reuniões corporativas (1º ato), aos banquetes (2º ato) e ao mapa de guerra (3º ato). A mesa – de estudos, de negócios, de planejamentos, de jogos e de comer – é personagem onipresente no espaço cênico, é nela e a partir dela que a movimentação dos bailarinos e a disposição do público de organiza, refletindo metaforicamente a organização do espaço urbano e as dinâmicas sociais sob a perspectiva das grandes corporações.

“Os novos empreendimentos imobiliários exercem certo fascínio em parte da população. Os condomínios que apresentam a possibilidade de se exercitar, fazer reuniões familiares, reuniões de negócios, comprar e até ir ao cinema ou pizzarias sem deslocamentos urbanos, refletem não apenas uma ideia de praticidade, mas também a imobilidade e sistematização das relações sociais que de certa forma estão na perspectiva do modo de vida corporativo”, conta a diretora do Caleidos Isabel Marques.

“Esse modo de vida diz respeito a um modo de vida empresarial. Há uma ideologia por trás dos anúncios e das falas de compradores e vendedores: é como se a pessoa que procura esse tipo de residência dissesse ‘eu quero que a minha vida e minha sociedade funcione como uma empresa’ – entender isso, para nós, foi quase um convite para explorarmos essa ideia num espetáculo de dança”, complementa o dramaturgo Fábio Brazil.

Sobre o Caleidos Cia. de Dança – O Caleidos nasceu como um grupo de pesquisa vinculado a uma companhia de dança, ambos criados por Isabel Marques em 1996, na Faculdade de Educação da UNICAMP. Desde a sua criação, os objetivos do Caleidos Cia. de Dança mantiveram-se inalterados: abrigar e desenvolver as atividades de iniciação, apreciação, reflexão, pesquisa e criação em arte em suas interfaces com a educação por meio de atividades artísticas (produção de espetáculos e eventos de dança), docentes (cursos, workshops, eventos) e de pesquisa (seminários, encontros, publicações).  O Caleidos Cia instala-se na interface entre a arte e a educação. Despregando-se dos estigmas convencionais postulados ingenuamente por artistas e professores tradicionais de que arte e educação são campos distintos, a cia. de dança desenvolve espetáculos comprometidos com o diálogo e a reflexão com o público – valor da educação – e ao mesmo tempo comprometidos com a interação e pesquisa da linguagem da dança – valor da arte. Em 2001, com a entrada de Fábio Brazil na companhia, as atividades de pesquisa, criação e docência do Caleidos expandiram-se também para as interfaces entre dança e poesia. Desde a sua fundação, o Caleidos Cia. criou projetos e espetáculos que, no conjunto, refletem a face híbrida da cia de dança: arte e educação dialogam com a finalidade de que a arte não seja escolarizada e de que o ensino de dança não perca sua potência artística. Desde 2011, o Caleidos Cia. de Dança tem sua sede própria de ensaios e apresentações no Instituto Caleidos, na Lapa, zona oeste da capital.

SERVIÇO:

Espetáculo “NÓS S/A”

“O mundo como negócio, o espaço social e urbano na lógica corporativa”

Caleidos Cia. de Dança

Apresentações dias 17 e 18 de março de 2017 (sexta e sábado), às 20h; domingos (19) às 19h

Na sede do Instituto Caleidos, à Rua Mota Pais, 213, Lapa, São Paulo, SP

Entrada franca

Ingressos devem ser retirados no local com 30 minutos de antecedência.

Duração: 50 minutos

Classificação etária: 14 anos

Capacidade: 30 lugares

Tel.: (11) 3021-4970

FICHA TÉCNICA

Caleidos Cia de Dança

Direção: Isabel Marques

Codireção e dramaturgia: Fábio Brazil

Elenco: Nigel Anderson, Renata Baima, Kátia Oyama, Ágata Cérgole, Jailson Rodriguez e Bruna Milani

Música: Caleidos Cia de Dança

Cenário: Fábio Brazil

Preparo corporal: Ana Paula Mastrodi

Iluminação: Rafael Lemos

Produção: Mobilis Ltda – ME

Priscilla Leal
Priscilla Leal
Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso convidei mulheres de diversas áreas para escreverem para nós. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *