In Cômodos – Grupo XIX de Teatro
agosto 14, 2017
Ver tudo

Claudia Canto – Escritora

Fui a primeira moradora da periferia de SP a lançar um livro em uma das mais importantes Universidade do mundo, vestida de empregada doméstica, no qual faço referências a uma experiência que vivi em Portugal trabalhando praticamente em regime domiciliar.

Venho ministrando palestras em escolas, fundação casa, presídio, USP, Unicamp, Universidade de Oxford, Kings Kollege em Londres, Universidade de Glasgow etc.

Em entrevista dada ao site Palavra Comum, Claudia é assim apresentada:

“Nascida na periferia de São Paulo (Brasil), mais precisamente em Cidade Tiradentes (Zona Leste da cidade), Cláudia Canto é apaixonada, desde pequena, por literatura.  Filha de mãe analfabeta e pai semianalfabeto, nada a impediu de desenvolver, logo cedo, o gosto pelos livros. Em sua adolescência, Cláudia já lia Dostoiévski. Aos 15, 16 anos, se arriscava em seus primeiros poemas. “Eu saía para passear com algumas amigas muito bonitas e os meninos olhavam primeiro para elas e, dificilmente, para mim. Mas aí eu comecei a decorar uns vocabulários difíceis e passei a conquistar pelo meu conteúdo.” A “tática” de Cláudia se tornou uma maneira, inclusive, de não se deixar levar por homens superficiais, que se interessassem apenas por forma e não pelo conteúdo. Até hoje, ela acredita e transmite para adolescentes e mulheres, que a vivência e a leitura são as principais “armas” para contornar homens “cheios de conversinhas”.”

Claudia Canto

Os livros da autora:

Morte às Vassouras: Diário de uma Jornalista que se tornou Empregada Doméstica em Portugal.
Experiência real vivida em um palacete em Portugal, onde viveu praticamente em um exílio domiciliar.

Bem Vindo ao Mundo dos Raros, contos e crônicas de uma Psiquiatria.
Por três anos a autora trabalhou como Técnica de Enfermagem em uma Psiquiatria e desta experiência escreveu uma coletânea de contos, com glossário técnico de um experiente médico psiquiatra.

Mulher Moderna Tem Cúmplice
Violência doméstica contra as Mulheres, narrado por um personagem masculino, baseado em depoimentos reais.

Cidade Tiradentes de Menina a Mulher
Nesta obra a autora transforma o bairro em que mora em uma personagem feminina, a partir de então faz um paralelo com a sua própria história. Um livro onde a realidade e a ficção nos transportam a um mundo de mistério, dor e alegria.

 

Priscilla Leal
Priscilla Leal
Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso convidei mulheres de diversas áreas para escreverem para nós. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *