Artistas que você TEM que conhecer: Elisabeth Vigée-Le Brun

Como dar cara nova à sua cozinha
outubro 8, 2016
Alice não mora mais aqui
outubro 12, 2016
Ver tudo
elizabeth vigee lebrun MET
elizabeth vigee lebrun MET

Elisabeth Vigée-Le Brun

Elisabeth Vigée-Le Brun foi uma pintora francesa que iniciou seu trabalho muito cedo, tendo lições com seu pai, o pintor Louis Vigée. Seus retratos, que refletiam a elegância da nobreza de Paris do século 18, chamaram a atenção da aristocracia francesa.

Elizabeth pintou o retrato da Rainha Maria Antonieta, em Versalhes, tornando-se a sua artista preferida. Tanto que no total pintou mais de 20 retratos da Rainha e de seus filhos. Essa admiração transformou-se em amizade, e a artista conseguiu ser aceita e expor, com sucesso, seus quadros na Académie Royale, de Paris.

Embora essa amizade e a proximidade com a aristocracia francesa tenham lhe causado o exílio, quando estourou a Revolução Francesa, em 1789, tendo ficado 12 anos fora da França, exilada na Itália, seu talento para a pintura e sua diplomacia lhe renderam numerosas encomendas e prêmios da Academia. Passou seis anos em São Petesburgo, patrocinada pela Imperatriz da Rússia Catherine II.

Por conta dos numerosos retratos que pintou, Elisabeth acumulou uma fortuna considerável.

Seus retratos de mulheres eram naturalmente elegantes, considerados inovadores e com sensibilidade, já que não reproduziam as atitudes superficiais que a etiqueta aristocrática exigia para as mulheres na época. Vigée-Le Brun estava em consonância com os escritos de Jacques Rousseau, que tratava do retorno ao natural. Em um de seus famosos autorretratos, Elisabeth se pintou como uma mãe amorosa carregando sua filha.

9db460d96c3b76b94821b50ceea2b020

Elisabeth Vigée Le Brun – Auto-Retrato com sua filha (ternura materna), 1786

A artista produziu aproximadamente 800 quadros, sendo que destes 600 foram retratos. Em 1835, publicou suas memórias, algo inédito para uma artista mulher, destacando suas viagens, a política e os eventos artísticos de seu tempo.

Elizabeth morreu em 1842, em Paris. É considerada uma artista da escola neoclássica e foi muito famosa em seu tempo.

O MET, em Nova York, realizou uma exposição com as obras da artista no primeiro semestre de 2016.

 

Priscilla Leal
Priscilla Leal
Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso convidei mulheres de diversas áreas para escreverem para nós. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *