Artistas que você TEM que conhecer: Carla Zaccagnini

Como administrar seu tempo de forma estratégica
novembro 11, 2015
Entrevista – Renata Andrade – Atriz e Artista Plástica
novembro 18, 2015
Ver tudo
retirado do te http://ideiasdefimdesemana.com/wp-content/uploads/2010/11/carla-z-8.jpg

retirado do te http://ideiasdefimdesemana.com/wp-content/uploads/2010/11/carla-z-8.jpg

Olha só que bacana a exposição que vai rolar a partir do dia 13 de novembro no MASP:

“CARLA ZACCAGNINI –  ELEMENTOS DE BELEZA: UM JOGO DE CHÁ NUNCA É APENAS UM JOGO DE CHÁ”

O tema da exposição são as sufragistas inglesas do começo do século XX.

A Carla Zaccagnini é uma artista argentina, nascida em 1973, que vive em São Paulo. Formou-se na FAAP, em artes plásticas, e utiliza diversos suportes para a sua arte, destacando  instalação fotografia, vídeos e desenhos.

Em 2005, Carla instalou uma série de espelhos no Octógono da Pinacoteca do Estado de São Paulo. As peças refletiam uma a outra até que a primeira delas refletia a tela “Saudade” (1899), do pintor acadêmico Almeida Junior. A pintura da moça que chora na janela se transportava do segundo piso até o térreo, na obra intitulada “Percurso Ótico”. Carla considera essa uma de suas mostras mais importantes. Assim como projeto “Restauro”, de 2001, quando a artista restaurou com fundos próprios uma outra tela do pintor acadêmico Almeida Júnior e a expôs, junto com um texto com suas reflexões, no Centro Cultural São Paulo.

"Percurso Óptico" Foto retirada do site da Galeria Vermelho

“Percurso ótico” – foto retirada do site da Galeria Vermelho

Dentre suas exposições e performances podemos destacar também a série “Correspondências para Juan Manuel Perdomo”, de 2007. As mensagens foram escritas em rótulos de cerveja ao amigo curador colombiano, inspirados numa brincadeira feita num bar de Medellín.

Agora essa artista super criativa e talentosa está no MASP, em São Paulo!

Segue o release sobre a exposição:

Elementos de beleza é baseada no livro homônimo da artista, lançado em 2012, sobre as sufragistas de Londres e Manchester, nos anos 1910. A publicação, que faz parte da obra e estará disponível para consulta dos visitantes, reúne material de arquivo, fotografias, recortes de jornal e registros criminais a respeito da seção considerada mais radical do movimento, que defendia o direito de voto para as mulheres nas eleições políticas. A Women’s Social and Political Union (WSPU), organização de militância pelo voto feminino, era adepta de táticas de ação não convencionais, que incluíam ataques a vitrines de lojas, museus e pinturas, em especial aquelas que representavam nus femininos e retratos de homens.

“É importante notar que o feminismo e a questão de gênero, apesar de dominantes, não são as únicas preocupações da artista neste projeto. Elementos de beleza abrange temas tão importantes quanto a participação das minorias nas decisões democráticas; o conservadorismo das elites políticas que resistem às mudanças; a crise das identidades sociais e da representação política no século 20; o ativismo e o confronto às estruturas de opressão na sociedade; e por fim e especialmente o desafio ao poder constituído pelo sistema da arte e suas instituições, do qual faz parte o tratamento desigual dado às artistas em relação a seus colegas do sexo masculino”, afirma Fernando Oliva, curador do projeto e parte da equipe curatorial do MASP.

http://colchesterart.co.uk/

http://colchesterart.co.uk/

A instalação faz referência aos ataques das sufragistas, como forma de protesto, às obras de arte. Registros sonoros guiam os visitantes ao longo de uma parede ocupada por representações de molduras, pintadas diretamente sobre a superfície de concreto, sem as respectivas obras. A seleção de quadrados e retângulos vazios é uma alusão aos trabalhos que sofreram com a ação do grupo de mulheres, em particular, Vênus ao espelho (1647-1651), de Diego Velázquez (1599-1660), a obra mais célebre e a mais danificada, com diversos golpes de cutelo. A pintura foi restaurada e hoje se encontra em exibição na National Gallery, Londres.

“Ao entrar em contato com o trabalho, o público será envolvido por essas diversas vozes, em fricção, que compõem um panorama de discursos se contrapondo o tempo todo. De um lado, a fala do governo e de autoridades, condenando a ação das militantes. De outro, as sufragistas, buscando esclarecer suas razões e argumentando de maneira inteligente, sedutora, especialmente aos ouvidos de hoje”, diz Fernando Oliva. Elementos de beleza trata de fatos ocorridos há um século, no entanto deixa transparecer seu potencial de atualidade ao pensarmos nos problemas globais que envolvem questões de representação política e identidades das minorias, nas quais a mídia desempenha papel crucial.

A exposição fica em cartaz de 13.11.2015 a 14.02.2016, no MASP, metrô Trianon-MASP. De terça-feira e de quinta-feira, a partir das 17 horas, a entrada é gratuita! Maiores informações no site do museu: www.masp.art.br

Eu não perco por nada! Fica a dica!!

Até mais!

Priscilla Leal

_MG_0162Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso trago no blog informações jurídicas, que estão envolvidas na atividade artística, além de informações de produção e gestão cultural. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Priscilla Leal
Priscilla Leal
Sou atriz, advogada e gestora cultural. Reuni as três atividades neste espaço virtual, para criar um lugar de divulgação e compartilhamento de trabalho das mulheres artistas. Acredito na importância deste espaço para destacar essas mulheres e sua relação com a arte. Também acredito na profissionalização da(o) artista e da(o) produtor(a) cultural, por isso convidei mulheres de diversas áreas para escreverem para nós. Idealizei e executei o seminário “Mulheres Artistas na Ditadura”, na Caixa Cultural São Paulo, em 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *